Logo Cristina Fotin

Dicas e Cuidados


A escolha de um animal de estimação é uma decisão muito importante na vida de um indivíduo ou de uma família.

A convivência com os animais é muito benéfica para o ser humano, proporcionando muita alegria e a oportunidade de compartilhar o amor, a amizade e a companhia de seres tão especiais.

O pet escolhido irá dividir a atenção e o carinho com a pessoa ou membros da família e por isso muitos aspectos devem ser pensados, como por exemplo a afinidade. Algumas pessoas preferem a companhia das aves, outras dos répteis, outros de coelhos e roedores, outras de cães ou dos gatos. Conhecer o comportamento da espécie ajuda muito na escolha.

Uma boa conversa com o médico veterinário pode ajudar em algumas considerações.






Clique nos ícones abaixo para ver as dicas:

Dicas Mamíferos2 Dicas Aves Dicas Répteis
Tempo Disponível Ambiente Adequado Comportamento Tempo de Vida Doenças em animais silvestres Investimento Legislação

Legislação


A legislação brasileira classifica os animais silvestres em 3 categorias:


  • Domésticos;
  • Silvestres nativos (pertencentes à fauna brasileira);
  • Silvestres exóticos (pertencentes à fauna estrangeira).

Como a fauna brasileira é muito rica em variedade de espécies, a legislação brasileira protege esta fauna, com a finalidade de proteger o patrimônio natural brasileiro do tráfico nacional e internacional e evitar a introdução de doenças ou animais que possam prejudicar a fauna brasileira, ou mesmo a criação comercial de animais como galinhas, frangos, bois etc. Exemplos de animais silvestres nativos são as diversas espécies de papagaio do gênero Amazona (papagaio verdadeiro, papagaio charão, papagaio de cara roxa etc.), araras, jandaias, periquito verde, tucano, curió, bicudo, trinca-ferro, pintassilgo, coleirinha, pássaro-preto, sabiá, diversas espécies de corujas, jabutis, cágado tigre d'água, lagarto iguana e lagarto teiú, jibóias e viversas espécies de macacos como saguis, macaco-prego etc.

Muitas espécies de animais silvestres oriundos de outros países formam a chamada fauna silvestre exótica. Exemplos destas espécies são aves como os lories, cacatuas, ecletus, dentre outros. Outros animais de grande porte, como leões, girafas etc., também são classificados como animais exóticos.

Tanto os animais silvestres nativos, como os exóticos são protegidos pela lei brasileira. Para aquisição destes animais é necessário procurar criadouros legalizados pelo IBAMA ou órgão competente e lojas especializadas, que irão emitir nota fiscal com certificado de origem destes animais. O animal adquirido deve estar identificado por micro-chip, anilha ou ambos.

Por fim, os animais domésticos compõem o grupo de espécies que, nativas ou não, passaram por longo período de domesticação, incluindo técnicas de reprodução. Estes animais podem ser comercializados sem necessidade de documentação legal. São exemplos destes animais o cão, gato, coelho, porquinho da Índia, chinchila, hamster, calopsita, ferret ou furão, periquito australiano, canário belga ou do reino, diamante gold, dentre outros.

No caso dos animais silvestres, nativos ou exóticos, deve-se resistir à tentação de adquirir um animal do tráfico, em feiras ilegais de animais ou provenientes de pessoas não legalizadas, mesmo que a intenção seja a de remover o animal de uma situação degradante. Estes animais foram retirados da natureza em grande quantidade, colaborando para um desequilíbrio ambiental, além de, na maioria das vezes, se encontrarem em péssimas condições de saúde e alojamento. Há canais de denúncia de feiras ou comércio ilegal, como a linha verde do IBAMA. Combatendo o tráfico e a retirada cruel de animais da natureza, além de se adquirir um animal de uma fonte conhecida, é menor a possibilidade de apresentar doenças que afetem ele ou as pessoas que o adquirirem.

Todo paciente tem direito a tratamento, quando estiver doente. No caso de um animal silvestre, procure sempre um veterinário especializado neste tipo de atendimento.